BBI of Chicago
Setembro 2021

Os Impactos da Indústria 4.0 e o Futuro do Mercado de Trabalho

Por: Aldomir Agustinho Tresoldi.

Entramos na era da indústria 4.0, e partindo do ponto de vista de que o avanço da tecnologia é inevitável e que não deveria ser encarado como uma coisa ruim, se faz necessário compreendermos quais serão os impactos positivos e negativos que essa revolução vai causar na vida das pessoas e das empresas.

Neste sentido, o professor e pesquisador da Fundação Dom Cabral, Hugo Ferreira Braga Tadeu, em sua obra “Impactos da Indústria 4.0, pesquisa sobre digitalização”, de março de 2016, fala que com a “indústria 4.0 os negócios passarão por mudanças profundas, reformulando os padrões atuais de oferta de produtos e serviços para conseguir atender um público consumidor mais exigente e conectado com o mundo digital”. 

O autor fala, ainda, que essa revolução industrial denominada de indústria 4.0, com a automação dos processos produtivos, vai substituir massivamente a mão de obra das empresas, atingindo o campo político, social, econômico e empresarial. No campo econômico, teremos efeitos na maioria das variáveis macroeconômicas, como o PIB, consumo, emprego, padrão do comércio, inflação e o investimento. Estas mudanças serão motivadas por rupturas tanto pelo lado da oferta, como mudanças na produção e distribuição de bens e serviços, quanto pelo lado da demanda, graças a novos padrões de consumo e novas necessidades de usuários. 

O autor conclui afirmando que o Estado, o Governo e a sociedade têm papéis primordiais na adequação de um modelo de capacitação da mão de obra que estará em vigor. O Governo deve trabalhar na criação de políticas de incentivo, na criação de trabalho, investimento em educação e inovação, bem como mecanismos de controle de fusão de grandes empresas.

Sendo assim, levando em consideração os fatores mencionados acima, posso dizer que a indústria 4.0 vai criar oportunidades para quem tiver a habilidade de se adaptar rapidamente a cada mudança, da mesma forma que vai promover a ampliação do domínio do mercado por grandes corporações e conglomerados. Com esse domínio, a tendência é aumentar os índices de desemprego e o desequilíbrio no mercado de trabalho, uma vez que na medida que a tecnologia aproxima quem tem acesso, acaba excluindo os que não a possuem, causando uma separação de classe e de nível salarial, fomentando o aumento na desigualdade social devido à distribuição de renda.

No campo do trabalho, tarefas manuais serão substituídas pela automação, fazendo com que novas competências sejam desenvolvidas.  O profissional da indústria 4.0 terá que ser ágil e ter a capacidade de aprender e mudar logo, se adaptando de forma inteligente e propondo soluções com cunho inovador, pois é isso que vai torná-lo essencial no processo e vai diferenciar suas habilidades das máquinas.  Não podemos prever o futuro, mas podemos nos preparar aperfeiçoando nossas habilidades. 



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

TADEU, Hugo Ferreira Braga. “Impactos da Indústria 4.0“. 2016. Disponível em: <https://www.fdc.org.br/conhecimento-site/nucleos-de-pesquisa-site/centro-de-referencia-site/Materiais/Impactos%20da%20Ind%C3%BAstria%204.0.pdf>. Acesso em: 27 mar. 2021.


 

Conheça outros artigos de nossos alunos: